Noticias • Samuel Feldberg: Trump deixa aberta a porta para a instalação de uma capital Palestina em Jerusalém Oriental

Samuel Feldberg: Trump deixa aberta a porta para a instalação de uma capital Palestina em Jerusalém Oriental

Por IBI | Categoria: Política
Whatsapp

Com objetivo de enriquecer o debate e honrar seu espaço democrático, o IBI convidou colaboradores a responderem perguntas sobre a transferência da embaixada americana para Jerusalém e o futuro da região.
Confira o que Samuel Feldberg, professor de Relações Internacionais da USP, Research Fellow do Centro Moshe Dayan da Universidade de Tel Aviv e do Israel Studies Institute da Universidade Brandeis, tem a dizer:

Há quem diga que esse movimento dos EUA coloca uma pá de cal em negociações de paz que poderiam acontecer. Seria um passo atrás na solução de dois estados?

Trump deixa claro que continua válido o conceito de dois estados ainda que, como bem lembrou Tzipi Livni, tenha deixado de fora “para dois povos” o que é fundamental para cimentar a legitimidade do conceito do lar nacional judaico.
A extrema direita israelense vê a declaração como uma ameaça: o posicionamento de Trump blinda sua legitimidade como aliado israelense o que lhe poderia permitir fazer exigências se quisesse pressionar para uma retomada das negociações com os palestinos. Ainda não está claro que preço este governo irá pagar pela declaração de Trump.

Acredita que essa mudança pode dar início a uma nova onda de violência entre israelenses e palestinos?

As lideranças palestinas vem anunciando uma onda de violência. O Hamas e a Jihad Islâmica abertamente, o Fatah dando a entender que pode haver um engajamento da população contra a decisão. A prova será na sexta feira na saída das mesquitas após a reza. O Departamento de Estado norte-americano já alertou para que o staff do consulado em Jerusalém não vá à cidade velha de Jerusalém e não visite locais sujeitos a tumultos.

Há quem afirme que essa decisão é apenas um reconhecimento histórico. Você concorda?

A decisão é um aval de uma resolução unânime do senado dos EUA cuja implementação vinha sendo adiada pela presidência. E reconhece o vinculo histórico ancestral do povo judeu com a cidade de Jerusalém. Importante notar que Trump menciona explicitamente que as fronteiras da cidade serão definidas através de negociação entre os dois lados, deixando aberta a porta para a instalação de uma capital palestina em Jerusalém Oriental.
Outro aspecto importante refere-se à reações de Abbas, que vociferou contra a decisão, declarou que os EUA já não podem ser vistos como mediador, mas não tomou nenhuma decisão importante como conclamar a violência (pelo contrario) ou ameaçar interromper as colaborações de segurança com Israel.

Inscreva-se