Noticias • Centenas de acadêmicos israelenses pedem que Netanyahu não deporte africanos

Centenas de acadêmicos israelenses pedem que Netanyahu não deporte africanos

Fonte Haaretz | Categoria: Política
Whatsapp
Requerentes de asilo africanos, principalmente da Eritreia, participam do protesto em frente ao Knesset (26 de janeiro, 2017)

Logo após 35 escritores israelenses pedirem ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que desistisse dos planos de deportar milhares de requerentes de asilo africanos, cerca de 500 acadêmicos assinaram uma carta similar.

"Nós pedimos que você reveja  a resolução do gabinete que aprovou a prisão e a deportação forçada dos requerentes de asilo que se refugiaram em Israel", 470 professores universitários escreveram na carta endereçada ao primeiro ministro, membros do gabinete e o presidente Reuven Rivlin.

"Temos o dever de lembrar que fomos estrangeiros perseguidos e refugiados, e devemos dar calorosas boas vindas aos requerentes de asilo que fugiram de suas casas e suas terras para salvar suas próprias vidas e a vida de seus familiares".

"A história de nossa nação exige que Israel sirva de modelo para o tratamento de crianças e adultos que buscam o refúgio da limpeza étnica, perseguição e violência política, do tráfico de seres humanos, do estupro e da tortura. Israel é grande e forte o suficiente para proporcionar abrigo temporário e refúgio a dezenas de milhares de requerentes de asilo do leste da África até o momento em que possam retornar às suas casas, livre e em segurança ", acrescentou a carta.

Uma carta similar foi assinada por 50 rabinos associados à associação ortodoxa e pluralista Torat Chayim. Eles pediram que o Estado defenda a lei judaica e siga a passagem bíblica de Deuteronômio 23:16: "Não entregará a seu senhor um servo que escapou de seu senhor para você".

Os rabinos chamaram a atenção para o fato de que os 35.000 refugiados africanos que vivem em Israel representam menos de 0,5% da população do Estado - um número muito pequeno para mudar significativamente o equilíbrio demográfico de Israel.

A carta dos escritores, na quinta-feira, pediu que Netanyahu "aja de forma moralmente, humanamente e com compaixão digna do povo judeu, e para impedir a deportação de refugiados para o inferno de onde fugiram. Do contrário, não temos motivos para existir ".

A oposição aos planos de expulsar à força os requerentes de asilo da Eritreia e do Sudão e para prender indefinidamente quem se recusa a sair cresceu em Israel. Na quarta-feira passada, centenas de pessoas participaram de uma manifestação no Knesset iniciada pelos deputados Michal Rozin (Meretz), Eyal Ben-Reuven (União Sionista) e Dov Khenin (Lista Conjunta). Um evento similar promovido pelo Instituto Hartman e pelos Rabinos para os Direitos Humanos foi realizado em Jerusalém na terça-feira. Protestos também foram realizados na terça-feira diante das residências dos ministros e dos membros do Knesset em Jerusalém, Tel Aviv, Be'er Sheva e Haifa.

Eli Nehama, diretor da escola Bialik-Rogozin, do sul de Tel Aviv - onde muitos dos estudantes são filhos de requerentes de asilo - pediu ao governo que evite a deportação. Alertou que essa política é imoral e uma tragédia para as gerações vindouras.


Matéria traduzida do jornal israelense Haaretz. Leia original.

Inscreva-se