Noticias • "No Oriente Médio, nada deveria ser doado sem receber algo em troca"

"No Oriente Médio, nada deveria ser doado sem receber algo em troca"

| Categoria: Noticias
Whatsapp

Convidado da Flip 2018, o escritor Simon Sebag Montefiore, desembarca no Brasil para lançar seu livro Catarina, a Grande & Potemkin - Uma história de amor na corte Románov. Na mesa O Poder na Alcova (dia 28, em Paraty), o historiador irá discutir os desafios de retratar figuras centrais da política.  

Em entrevista exclusiva ao IBI, Montefiore falou sobre outro livro seu, Jerusalém a Biografia. E revelou impressões sobre a cidade santa, bem como seus desejos para o futuro de Jurusalém. 

Por que você decidiu escrever sobre Jerusalém? 
Jerusalém é a maior cidade santa a cidade universal. Tem um lugar único em nossa civilização. Mas quando eu quis ler sobre o assunto, não encontrei nenhuma história boa da cidade, de todas as épocas, desde os cananeus até os israelitas, todas as religiões todos os impérios. Então, decidi que escreveria uma. Eu também venho de uma família que desempenha um papel na criação de jerusalém moderna. Foi um Montefiore que começou a construir a nova cidade moderna em 1860 e o moinho de vento Montefiore ainda marca o local onde ele construiu. Nosso lema familiar é Jerusalém. Então, eu especialmente queria escrever este livro. Também queria escrever uma história neutra. Eu sou judeu, mas eu sou um historiador que prezo a neutralidade. Há muitos livros pró-israelenses e mais livros anti-sionistas sobre Jerusalém. Meu livro não é nenhum dos dois. Esse é o meu grande objetivo ao escrever este livro: uma história que todos saibam ser tão clara quanto possível à verdade. E finalmente meu livro é uma história mais ampla do Oriente Médio através das lentes da cidade santa. Você não precisa ser fã de história nem saber nada sobre a região para aproveitar isso. Meu objetivo sempre foi que ambos os lados respeitem a história do outro e eles podem aprender essa história aqui. A visita do duque de Cambridge esta semana mostra como a cidade ainda é importante. A primeira visita oficial real de todos os tempos. Embora dois membros da família real estejam enterrados lá - o duque de Edimburgo mãe da princesa alice e a grã-duquesa russa ella .... Aliás, é uma delícia para mim que meu livro sobre Jerusalém seja um best-seller no Brasil - e estou tão ansioso para vir ao seu país e falar sobre Jerusalém e meus outros livros sobre a Rússia - os Romanovs e agora Catarina e Grande.

O que você achou mais fascinante em sua pesquisa? 
Bem, muito ... o livro está cheio de personagens incríveis, desde Herodes, o grande, a Adriano, a Suleiman, o magnífico e até o presente ... e acho que os leitores encontrarão muito do que não sabiam.

Durante suas palestras, o que acredita que mais surpreende as pessoas sobre Jerusalém? 
A loucura de Jerusalém. Ou o fato de que houve algo como 40 cercos de Jerusalém ... ou apenas a natureza que faz uma cidade santa e como a Bíblia a tornou a cidade universal e muito mais …

Quantas vezes você foi à cidade para escrever o livro? 
Muitas vezes. E eu fui lá desde que eu era menino.

Jerusalém é uma cidade que viveu conquista atrás de conquista. Acredita que ainda será palco de mais conflitos? 
Sim, quando as comunidades religiosas estão no controle, a paz racional é impossível. Por outro lado, os líderes seculares devem negociar e um plano de paz é totalmente possível. Algum dia.

Como você vê o futuro de Jerusalém dentro do contexto do conflito israelo-palestino?
Tem que ser capital de Israel e de algum tipo de estado palestino.

O que você achou da decisão de Donald Trump de transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém? 
Eu acho que foi insensato, mas acho que também reconheceu a realidade de que Jerusalém já é a capital de Israel e (quer se goste ou não) e também esmagadoramente, uma cidade judaica atualmente. Há uma maioria judaica na cidade desde a década de 1880. Mas a decisão de Trump desnudou sua preferência por Israel e não necessariamente ajuda Israel - ironicamente. Porque dá mais confiança ao nacionalista de direita de uma forma inútil. No Oriente Médio, nada deveria ser doado sem receber algo em troca, então foi tolice. Pior, não foi um presente para os israelenses, mas sim para os evangélicos americanos. Foi para ganhar o eleitorado. E  essa é uma razão ruim para interferir com a diplomacia em uma área sensível. Mas, ultimamente, não acho que mude muito. Os palestinos estão divididos, sua liderança é tola e irresponsável e esclerosada (AP) ou cruelmente militante e antissemita (Hamas), de modo que não há ninguém para negociar até que o presidente Abbas se aposente ou o Hamas altere suas políticas. A liderança israelense também é desajeitada, míope e rígida, mas há possibilidades interessantes no novo relacionamento israelense com as monarquias do Golfo. Na ausência de uma paz real, não seria ruim melhorar a situação de Gaza?



Inscreva-se