Noticias • "Devemos parar com a desumanização de ambos os lados"

"Devemos parar com a desumanização de ambos os lados"

Por IBI | Categoria: Cultura
Whatsapp

A israelense Noa está no Brasil para apresentação única na Shalom, domingo (10). Ao IBI a cantora -  nascida no Iêmen -  revelou algumas de suas opiniões sobre o governo de Israel, os movimentos de boicote ao país e a iniciativas de paz das quais faz parte. Noa já foi insultada no aeroporto de Tel Aviv por suas posições políticas.  

Confira a entrevista.    

É sua primeira vez no Brasil?
Já estive no Brasil várias vezes e adoro o país. 

O que conhece sobre a música e a cultura brasileira? 
Sou uma grande fã da música brasileira, como quase todo músico do planeta. É simplesmente espetacular. Claro que sempre me refiro a Tom Jobim como o maior de todos, e aos grandes compositores como Caetano Veloso, Gilberto Gil e João Bosco - que eu adoro. A lista é grande e inclui cantoras como Elis Regina. Sou menos familiarizada com a cena de música brasileira contemporânea, mas tenho certeza que existem grandes artistas. O Brasil tem uma tradição musical incrível que inclui ritmo, harmonia, melodia, letra, sensualidade, habilidade. Enfim. 

Quais as expectativas para sua visita? 
Essa visita será curta, tenho apenas um único show em São Paulo, na maravilhosa comunidade Shalom. Não é a primeira vez que me apresento para eles e estou muito contente com esse meu retorno. Só estou um pouco triste de não poder voltar ao Rio. 

Israel acaba de completar 70 anos. Na sua opinião, quais são os maiores desafios para o país daqui pra frente?
A existência de Israel é praticamente um milagre. Tenho orgulho das muitas conquistas do meu país, algumas das quais afetam o bem-estar de todo o mundo! Ao mesmo tempo, reconheço muitos desafios. E para mim, em primeiro lugar, é profunda e dolorosa questão de nossa relação com os palestinos e todo o mundo árabe. Chegou a hora de parar e abordar seriamente essas questões, sem desculpas, procrastinação e retórica política. O futuro de Israel depende da paz com seus vizinhos, e essa paz é alcançável. Precisamos nos esforçar por isso, incansavelmente.

Você já foi vítima de insultos por suas opiniões políticas. Como você reage a essas manifestações?
Existem algumas pessoas que acham difícil lidar com o fato de eu expressar uma opinião a respeito do conflito palestino-israelense. Ou sobre outras questões tão próximas de nossas vidas em Israel, como racismo, incitamento e doutrinação. Mas como mãe de três filhos - um deles  que vai para o Exército no próximo ano -  e cidadã do Estado democrático de Israel que eu amo, e como um artista com influência, sinto que é meu dever cuidar e levantar uma voz com o objetivo de trazer mudanças positivas. Estou aberta a discussão com qualquer um que esteja interessado em dialogar! Eu até visitei um assentamento há alguns meses e tive algumas interações muito interessantes com as pessoas de lá. Foi uma visita de aprendizado e respeito, que acho que todos nós devemos fazer. Mas se houver objeção a algumas coisas que estou fazendo por extremistas, devo estar fazendo algo certo! Eu considero isso um elogio. É importante dizer que eu também recebo muito apoio. De muitas pessoas silenciosas que sentem que estou levantando sua voz. Eu tenho orgulho disso. Existe um preço em  falar, em ter coragem. Mas o preço da covardia e do silêncio é muito maior. E será pago pelos nossos filhos.

Artistas e acadêmicos israelenses têm sofrido hostilidades em todo o mundo por causa da política israelense. Como você vê esse fenômeno?
É trágico. A maioria dos artistas e acadêmicos israelenses são pessoas que acreditam na paz e freqüentemente trabalham para isso. Mas todos nós sofremos as consequências pelas políticas de Netanyahu e pelo governo de sua ala direita que já está governando há uma década. Governo que foi comprometido por incitação, racismo, provocação, legislação antidemocrática e uma recusa geral em realmente abraçar o diálogo e lutar pela paz. Eu acredito que artistas e acadêmicos deveriam ser abraçados em todos os lugares. Eles são a personificação da LIBERDADE ... liberdade de espírito e mente. Eles são como pássaros e devem estar sempre autorizados a voar.

O movimento BDS boicota ações culturais e acadêmicas. O que você pensa sobre isso?
Eu tenho afirmado que sou completamente contra o BDS. Eu mesmo fui boicotada por este movimento, provando que eles não estão interessados ​​na paz! Caso contrário, por que eles teriam como alvo uma ativista da paz como eu? Simplesmente porque eu também sou israelense? Eu acho que o BDS não levará à paz, não conseguirá levar Israel a um acordo, a única maneira de fazer isso é fortalecer as vozes da paz dentro de Israel e da Palestina e fortalecer os laços entre israelenses e palestinos (como por exemplo “Mulheres em Paz” ou o Novo Fundo de Israel, só para citar duas das centenas de grupos que trabalham pela mudança!) Essa é a única forma de de atingir o eleitorado em ambos os lados da cerca. Isso é um trabalho duro, frágil,  profundo, mas precisa ser feito de dentro e apoiado por fora, não apunhalado por um boicote cego a Israel. Eu mesma amo Israel, mas sou muito crítica deste atual regime. Assim como muitos israelenses. O boicote joga  tudo diretamente nas mãos da extrema direita, fortalecendo sua visão de que “todos estão contra nós e ninguém nos entende, então vamos construir muros mais altos, ser mais agressivos e isolados e pensar apenas em nós mesmos”. A extrema direita, por sua vez, joga diretamente nas mãos do BDS, com suas políticas ridículas (como o espetáculo embaraçoso que vimos esta semana com o cancelamento do jogo entre a Argentina e Israel). Essa estratégia não funcionará para ninguém.

Você é alguém comprometida com a paz. Como você vê o conflito israelo-palestino hoje?
É um momento difícil, mas significa simplesmente que devemos trabalhar mais. Estou envolvida com muitas organizações que fazem um trabalho incrível e não param de fazê-lo. Os governos dos dois lados da cerca cairão e teremos mais uma vez a chance de repensar e remodelar nosso futuro, israelenses e palestinos. O que é certo, RESPEITO e COMPROMISSO são as palavras-chave.

Qual você acredita ser o caminho para a paz? 
Devemos parar com a desumanização de ambos os lados. Devemos erradicar a auto-justiça e de apontar os dedos para o outro. Devemos parar constantemente de brigar sobre o passado e seguir em frente. Nós dois estamos aqui para ficar! Devemos respeitar as narrativas de cada um e a dor de cada um (isso significa finalmente banir a embaraçosa Lei Nakba que visa silenciar a narrativa dos palestinos e apagar seu passado e sua história!) E imediatamente interromper a educação ao ódio contra judeus e Israel que existe em tantas instituições muçulmanas / palestinas, apenas para dar dois exemplos. Devemos nos esforçar para entender as motivações uns dos outros para o que aconteceu e o que quer que seja! Devemos nos desculpar pela dor que causamos um ao outro por qualquer razão !, Devemos compartilhar a terra e os recursos, porque a VIDA é mais preciosa do que a TERRA. Temos que nos comprometer com um lugar de confiança e respeito. Devemos chegar a todos aqueles que estão dispostos a conversar, em todo o mundo árabe, criando uma forte coalizão de moderados.Temos de envolver a comunidade internacional para a segurança, depois de termos trabalhado primeiro com os nossos vizinhos. Devemos permitir que TODAS as pessoas do Jordão ao mar sejam livres. Devemos lidar com o corpo (economia) e a alma (autodefinição e respeito). É factível. Nós devemos fazer isso. Eu sou israelense e judia, não palestina. Estou pensando, antes de tudo, em meu país e meu povo, e o que aprendi na escola judaica: ame seu irmão como você ama a si mesmo. Uma luz sobre as nações. De Sião, a Torá será revelada a todos. Vamos praticar o que pregamos. 

Inscreva-se