Imprensa • Rafael Kruchin, coordenador executivo do IBI, dá entrevista ao jornal alemão Judische Allgemeine

Rafael Kruchin, coordenador executivo do IBI, dá entrevista ao jornal alemão Judische Allgemeine

Rafael fala da relação do atual governo brasileiro e de grupos evangélicos com Israel


| Em Nota
Whatsapp

Em entrevista ao Jüdische Allgemeine, publicada no dia 05.09.2019, Rafael Kruchin fala sobre a utilização de referências judaicas e de símbolos ligados ao Estado de Israel por grupos evangélicos e pelo atual governo brasileiro. 

Confira alguns trechos da matéria:

"Já há alguns meses, a bandeira israelense vem sendo vista em quase todas as aparições públicas do presidente do Brasil Jair Bolsonaro. 'O posicionamento ‘pró-Israel’ de Bolsonaro foi de fundamental importância para a consolidação de sua candidatura presidencial. Simbolicamente, o imaginário sobre Israel coincidiu com o ideário da nova onda conservadora no Brasil', explica Rafael Kruchin, coordenador executivo do Instituto Brasil-Israel."

“A parte mais expressiva dos evangélicos vê a sociedade israelense e os judeus de modo geral como um grupo monolítico, conservador e sagrado, sem enxergar sua real complexidade e pluralidade”, lamenta Rafael Kruchin. “No entanto, a sociedade israelense, longe de ser o espaço do consenso, envolve grupos heterogêneos, com as mais diversas visões”, ressalta.

Kruchin também fala de construtos – e adverte: “É preciso ter muito cuidado ao assumir que Bolsonaro defende Israel. Na verdade, o presidente se vale do país para fins políticos, criando um imaginário sobre Israel e os judeus para respaldar sua visão de mundo, mas que, na verdade, estão longe de serem reais”.

Para ver a matéria completa, no original, clique aqui. 

Inscreva-se