Colunistas • Mauro Nadvorny • Israel 1 X 1 Palestina

Israel 1 X 1 Palestina

Por Mauro Nadvorny
Whatsapp

Caiu como uma bomba ontem a noite a notícia de que a seleção Argentina desistiu do amistoso com a seleção de Israel que ocorreria neste próximo sábado.

Quando se mistura política com esporte, o resultado nunca é bom. Neste caso, um desastre para os fãs do futebol que perdem a oportunidade de ver Messi e companheiros jogando.

Desde que se anunciou o jogo para ser realizado em Jerusalém, a pressão palestina e do BDS subiu nas alturas. Autoridades árabes e palestinas condenaram esta decisão e crianças palestinas mandavam mensagens e vídeos direcionados especialmente a Messi para que não viesse jogar. Diziam que iriam queimar sua camiseta como forma de protesto. Jovens palestinos com a camiseta da seleção argentina, clamavam para que o jogo não ocorresse e finalmente assim foi.

Para se compreender melhor o que aconteceu, preciso lembrar que há poucas semanas o consulado americano em Jerusalém mudou seu status para embaixada. A direita israelense foi aos céus e a extrema direita se regozijou em júbilo. Um gol de placa para Israel.

Entre os mais alegres com a decisão americana além de Nathanyau estava a ministra da cultura Miri Regev, a mesma que havia sido filmada entre a torcida do Beitar Yerushalaim entoando cantos com ataques racistas aos cidadãos árabes.

O jogo entre as seleções tinha tudo para dar certo. Messi é uma unanimidade futebolística para todos os habitantes de Israel e da Palestina, mas Miri Regev queria tornar este encontro entre as seleções como mais uma afirmação política de que Jerusalém é a capital de Israel, sede da embaixada americana. E foi aí que a coisa desandou.

Cega por sua prepotência, ela não aceitou ponderações de que o jogo poderia se realizar em Haifa, uma cidade onde convivem israelenses judeus e árabes, ou até mesmo em Tel Aviv, uma cidade cosmopolita. Tão certa estava de si, que reservou 200 ingressos para membros de seu ministério que tiveram que devolver depois que a justiça foi acionada.

Milhares de ingressos estavam sendo distribuídos para amigos e simpatizantes e somente 1/3 deles haviam sido postos a venda para o público. Uma indignação geral.

Os palestinos que haviam perdido o jogo em relação a embaixada americana, precisavam de sua revanche e a receberam de Miri Regev. Ao insistir que o jogo se realizasse em Jerusalém ela uniu os palestinos de todos os espectros políticos em torno de sua paixão pelo futebol e num apelo uníssono para que ele não se realizasse, foram bem sucedidos. Desta vez os palestinos venceram, também com um gol de placa.

O governo de Israel já aponta o culpado, a Associação Palestina de Futebol e seu presidente, Jibril Rajoub. A direita israelense nunca olha para si mesma, na sede deles não existem espelhos. Nethanyau chegou a telefonar pessoalmente para Macri pedindo sua intervenção. Escutou dele que nada podia fazer. E assim estava selado o fim do jogo.

Placar da rodada: Israel 1 x 1 Palestina. E a Argentina, bem isto é outro jogo.


Mauro Nadvorny é membro do Juprog (Judeus Progressistas) e da J-Amlat (movimento em construção de judeus latinoamericanos de esquerda). Atualmente vive em Israel.

Os textos dos nossos colaboradores não refletem, necessariamente, as posições do instituto.

Outros Artigos

Confira outros artigos deste colunista!

Inscreva-se