Colunistas • Marcos Gandelsman • Um Balanço Pós-Congresso Sionista: em Defesa do Princípio Democrático

Um Balanço Pós-Congresso Sionista: em Defesa do Princípio Democrático

Por Marcos Gandelsman
Whatsapp

Foto da sala do acordo final do 38º Congresso Sionista Mundial

Às duas horas da manhã desta sexta (horário do Brasil) se iniciará a sessão oficial de encerramento do 38º Congresso Sionista Mundial, o primeiro, e esperamos também último em que as delegações participaram desde uma plataforma virtual. Contudo, antes de comentar sobre o que aconteceu neste evento, queria retomar um outro que ocorreu há poucos dias. Em uma conversa promovida pelo IBI e pela CIP no dia 18 entre o autor Micah Goodman e jovens brasileiros (e mediada com excelência por Guilherme Casarões e Ana Buchmann), o autor chamou atenção para duas questões que acho importantes retomar aqui: primeiramente, assinala que vivemos um contexto político mundial de extrema polarização. Estarmos polarizados nos provoca a entender e identificar nossos oponentes políticos como inimigos, vilões em nossas narrativas, obstáculos para alcançarmos nossos objetivos, gente com quem dialogar é por natureza algo improdutivo, desnecessário ou ainda efetivamente negativo. Nas palavras dele, tendemos a perceber o outro grupo como a pior representação possível que temos deles, e a nós mesmos como a melhor representação possível que fazemos de nós. E a fazer uma política de medo e de estereótipos. 

Nos dias que antecediam a primeira sessão deste Congresso Sionista, enquanto me preparava ansiosamente para minha primeira participação em um, acompanhamos estarrecidos a movimentação política do bloco da direita-ortodoxos, que com sua marginal maioria de 55% dos delegados tentava impor um “acordo” em que manteriam baixo sua ala cerca de 80% dos cargos dos escritórios e instituições do Movimento Sionista. Esta postura, como ontem comentado pelo IBI, vai de encontro à tradição de muitas décadas na Organização Sionista Mundial de distribuir com equidade e paridade os cargos de acordo com o tamanho das bancadas compostas por cada partido e linha ideológica. 

Sob pressão das organizações sionistas não partidárias e da opinião pública, e com muito esforço dos representantes de centro e de esquerda, podemos dizer que, depois de três dias de intensa atuação e de muitos debates, temos como resultado deste congresso um acordo efetivamente construído com todas as partes, que respeita suas bancadas e o apoio que os diversos partidos políticos e movimentos religiosos receberam para representar seus países e instituições no congresso. Também lutamos para que passasse pelas comissões uma resolução que exige dos delegados no congresso o respeito às diferentes tradições e correntes religiosas judias, sendo inaceitável ao longo das atividades realizadas ataques e ofensas contra partidos ou pessoas por conta de suas identidades religiosas ou culturais. Avançamos também, graças ainda a uma forte atuação do Meretz, e com apoio de outros partidos da esquerda e do centro sionista, no reconhecimento do judaísmo cultural humanista e secular, agora oficialmente integrado ao complexo executivo da Organização Sionista Mundial, com um escritório específico encarregado de prestar suporte e atenção às congregações, instituições e sujeitos que assim se identificam. Vale salientar ainda que, ao menos no contexto do Congresso Sionista, há uma tradição democrática que vigora nas pautas da esquerda e dos partidos de centro, e um compromisso fundamental destes com as noções de representatividade e pluralismo. Mais que isso, estes partidos, que conseguiram formar maioria ao longo das últimas décadas, nunca tomaram uma posição semelhante ao que a direita e os ortodoxos tomaram nesta edição do congresso. 

O segundo ponto que gostaria de retomar da fala do autor diz respeito ao sentido da ação política. Para Micah (e aqui tomo licença para adaptar e condensar um pouco parte de sua argumentação), política é um trabalho pragmático de encontro entre diferentes posições, para que se construam compromissos comuns orientados a resolver os inúmeros problemas de um mundo imperfeito como o nosso. Esperar, por exemplo, alcançar uma resposta definitiva para resolver a questão do antissemitismo em uma comissão de debate via zoom, com menos de duas horas de duração, é um projeto impossível. 

Neste sentido, acredito que, assim como eu, os demais representantes que participaram das discussões políticas deste congresso podem dizer de suas vitórias e derrotas neste evento. Enquanto judeu progressista, de esquerda e membro da relativamente pequena comunidade judaica de Recife, me preocupa o surgimento de um partido organizado nos Estados Unidos com base eleitoral em um grupo de ortodoxos tradicionalmente anti-sionistas, e ver que seu partido conseguiu nos acordos colocar um representante seu na direção do Departamento para o Avanço da Periferia e Envolvimento da Diáspora. Enquanto um “ainda jovem” ativista comunitário e ex-membro de um movimento juvenil, me anima o compromisso com um maior investimento nas atividades destes movimentos mundo afora, com a decisão de garantir maior representatividade juvenil nas próximas edições do congresso e, especialmente, com a perspectiva de criação de um Congresso Sionista Juvenil.

No final, alcançamos um acordo entre todas as partes. Se resumíssemos a experiência a esta frase ela diria muita coisa e quase nada. Ela não revela o desespero e apreensão que coletivamente sentimos no primeiro dia de discussões, os impasses e reviravoltas incontáveis que atravessamos ao longo destes dias, os atropelos e atrapalhos que talvez jamais saberemos se foram intencionais ou apenas erros de percurso no processo do que está ainda sendo um Congresso Sionista único e histórico, por tantas razões que aqui é também difícil enumerar. Mas ela também aponta o sentido fundamental que orientou e mobilizou centenas de pessoas de todo o mundo, durante estes três dias, a alinhar seus fusos horários a uma transmissão israelense, a debater e acompanhar discussões em uma língua que nem todos dominamos bem ou na dependência de traduções simultâneas, a ler e reler incontáveis vezes regulamentos e projetos de resolução dos mais diversos e a participar de infindáveis videoconferências atrás da menor referência que fosse sobre o que se passava nos encontros e reuniões que ocorriam em Israel entre lideranças de partido. Fizemos isso porque acreditamos que, embora imperfeito, o processo político é uma ferramenta indispensável na luta cotidiana pela resolução de problemas concretos. Pode parecer pouca coisa, mas no acúmulo de cada ponto da pauta, e com o passar dos meses e anos, as mudanças podem ser gigantes e profundas.

Devido ao contexto da pandemia e a transição para essa estrutura virtual, se decidiu realizar mais um congresso ano que vem, quebrando uma tradição que antecede a Declaração de Independência do Estado de Israel de realizá-lo apenas a cada cinco. Com isso, abrem-se mais oportunidades para que, ao longo de 2020 e 2021, possamos nos engajar para construir neste próximo congresso uma atuação ainda mais pragmática e comprometida com uma política que entende que sua melhor medida é a melhora das condições concretas de vida das pessoas, em um congresso que se reconhece enquanto fórum legítimo para discussão e construção das políticas nacionais judaicas. Levando em conta os argumentos de Micah, convido todas e todos a quem tocam as temáticas aqui expostas e tantas outras que aqui não pude explorar a refletir sobre os problemas mais importantes que devemos enfrentar enquanto um movimento político multifacetado. E que sejamos capazes de, a partir de nosso engajamento e atuação, construir democraticamente as melhores soluções possíveis, por mais imperfeitas que sejam.


Marcos Gandelsman é professor de cultura judaica e hebraico no Colégio Israelita Moisés Chvarts, membro organizador da Vaadá Tarbut do Centro Israelita de Pernambuco, estudante de psicologia pela Universidade Federal de Pernambuco, ativista do Meretz Brasil e delegado suplente no 38º Congresso Sionista Mundial.

Inscreva-se