Colunistas • Celso Zilbovicius • O aprendizado da barbárie

O aprendizado da barbárie

Por Celso Zilbovicius
Whatsapp

Há 12 anos trabalho como Diretor Educacional do projeto Marcha da Vida organizado pelo Fundo Comunitário de São Paulo. Uma proposta que inciou com o objetivo de levar alunos de escoas judaicas de São Paulo para conhecer a vida judaica na Polônia, os cenários da Shoá e depois a realidade de Israel. Este projeto teve mudanças e se transformou na Marcha da Vida Jovens para uma faixa etária mais alta.

A proposta pedagógica da Marcha, no que diz respeito à identidade e continuidade, foi sair do lugar comum, do clássico relato da tragédia que foi a Shoah, sem jamais banalizá-la. O principal elemento do novo eixo é trazer, a partir do estudo do que foi esta barbárie, ocorrida em pleno século XX e onde judeus foram as maiores vítimas junto com ciganos, homossexuais e presos políticos, uma reflexão profunda do que fazer com o legado que este capítulo nefasto da história ensina.

A partir de uma visita a Auschwitz- Birkenau temos a oportunidade de refletir acerca da banalização do mal e do desrespeito aos direitos humanos. Visitando a “sauna” de Birkenau e suas centenas de fotos, aprendemos que cada ser humano tem uma história e que seres humanos podem facilmente acabar com a mesma pela intolerância e pela arrogância.

O que fazer em homenagem a todas as vítimas que morreram da forma mais desumana possível naqueles lugares?

Esta é uma das perguntas chave do propósito pedagógico das visitas da Marcha da Vida. 

Muito sucintamente, respondo que não é somente apresentar a Shoah como algo incomparável e cair num discurso de vitimização conhecido e utilizado há tantos anos. É sim lembrar e aprender o que houve para alertar, manifestar indignação, quando for preciso até gritar, EM HOMENAGEM e INSPIRADO pelas milhões de vítimas que foram assassinadas.

É sim evitar novas barbáries que obviamente não são comparáveis mas vêm da mesma origem... do mal que habita o ser humano!

Assim, vejo com muita admiração a iniciativa de uma professora homenagear a vereadora Marielle Franco, assassinada for “forças ocultas” no Rio de Janeiro. Não é o caso de dizer que uma coisa é mais importante que outra e que não se pode banalizar a Shoah comparando com a barbárie do Rio. É, sim, prestar homenagem ali ao que aqueles lugares nos ensinam.

Indignar-se com a morte de Marielle em Auschwitz é indignar-se com a morte das crianças de Korczak em Treblinka, com a morte de milhares de refugiados na Síria e em tantos outros lugares da Terra.

Ficar no passado de forma exclusiva não colabora com a memória da Shoah. Aprender o que a barbárie nos diz e trazer para o presente é uma experiência desafiadora, mas infelizmente contemporânea. O que gerou Auschwitz e Birkenau, Majdanek ou Treblinka ainda paira no ar e somos convocados a prestar homenagens a todos aqueles que morrem por defenderem direitos humanos. Parabéns à professora que fez este ato em Birkenau na Marcha da Vida.

Eu teria feito a mesma coisa e farei quantas vezes forem necessárias enquanto visitar os campos. 


Outros Artigos

Confira outros artigos deste colunista!

Inscreva-se